E-mail:      comercial@damicoed.com.br

Avenida Professor Noé Azevedo, 208 Sala 12

VILA MARIANA - SP/SP - CEP - 04117-000
Matriz - São Paulo – São Paulo
Tel.: (11) 5539-6969 (11) 3280-7010
Filial Sul - Santa Catarina – Florianópolis
Te.: (48) 3050-0346 - Cel. (48) 98860-8080

                   damicoed@damicoed.com.br

SIGA-NOS

        Youtube

   

        ​Facebook
 

        Twitter

  • comprasmunicipais-YouTube-Icon
  • compras-municipais-facebook
  • comprasmunicipais-tbird

© 2019 por D'Amico Editora Ltda

Estamos online

48 - 98860-8080

Os desenvolvedores e as cidades

Vistos como a solução para impulsionar os 4 setores da economia (comércio, serviço, industria e agronegócio), os desenvolvedores, ou programadores, são os profissionais atualmente com o maior índice de empregabilidade no mercado.  


A lacuna tecnológica criada pela velocidade com que novas tecnologias surgem tem influenciado, de executivos de grandes empresas à empreendedores de Startups, a chegarem na conclusão que quanto mais tempo levarem para contratar desenvolvedores melhores, maior fica sua desvantagem no mercado.


Nesse breve cenário descrito acima, podem existir diferentes pontos de vista sobre quando e como começar, mas não o porquê.  A transformação digital, a revolução 4.0 e as novas formas de experiencias de consumo são direcionadores estratégicos no planejamento financeiro. 
Acontece que o desenvolvedor, por mais capacitado tecnicamente que esteja, não pode ser o responsável por essa atualização que os negócios precisam. Não são raros os exemplos em que a relação profissional entre desenvolvedores e empreendedores acaba com ambos os lados decepcionados. 


E o problema começa logo na contratação. Se já está difícil definir o conjunto de habilidades técnicas e comportamentais para qualquer cargo, imagina em áreas da tecnologia. Qual linguagem o desenvolvedor precisa entender? Seria um especialista em front-end, back-end, BI ou UX designer?
 

Vejo que o Poder Público, a administração municipal nesse caso, pode ter um papel estratégico de unir os diferentes atores, no âmbito do desenvolvimento econômico, para uma discussão sobre quais as demandas de pessoal nas industrias, quais os cursos disponíveis na cidade, os profissionais e estudantes para juntos traçarem planos de capacitação de mão de obra e disseminação de tecnologia.


A Prefeitura não existe apenas para fiscalizar empresas e empreendedores com olhos para cumprimento de regras, mas sim para construir parcerias que beneficiem a sociedade como um todo. Por exemplo, promovendo o correto entendimento sobre o papel dos programadores no desenvolvimento de uma cidade melhor.