top of page

Redistribuição para os municípios com novo FUNDEB


 

Por Milena Fiuza

Gerência Pedagógica, Gestão Educacional, Geração de Conteúdo, Formação Docente, Pedagoga, Advogada, Mestre em Administração. Professora docente do E.F1 - 19 anos de atendimento pedagógico e de gestão às escolas privadas de todo país. 


 

O importante fundo que movimenta anualmente bilhões em dinheiro público e influencia diretamente o funcionamento de milhares de escolas do Brasil - desde a educação infantil até o ensino médio, entrou em votação na Câmara dos Deputados, em meio a intensos debates sobre a origem e a destinação dos recursos.


O Fundeb, que é o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica, começou a vigorar em 2007 e é um mecanismo de redistribuição de recursos destinados à educação, composto pelos 26 Estados mais Distrito Federal. As unidades federativas arrecadam dinheiro que é investido em educação básica: creche, educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e EJA (Educação de Jovens e Adultos).


O texto aprovado na Câmara torna o fundo permanente, previsto na Constituição, aumentando o papel da União no financiamento e alterando regras de distribuição. O modelo de distribuição dos recursos federais aprovado pelos deputados, mantém a atual complementação da União a estados que não atingirem o valor mínimo por aluno, mas também contempla as redes públicas municipais. Busca ainda equalizar o investimento pelo país, já que o gasto com educação é desigual em todo o território por sua imensa diversidade.


A aprovação é considerada um avanço para o setor educacional público, uma vez que garante financiamento na manutenção do ensino e valorização dos profissionais da educação. A contribuição da União para o Fundeb crescerá de maneira gradativa de 2021 a 2026, de forma a substituir o modelo cuja vigência acaba em dezembro deste ano. A nova proposta torna o fundo mais justo, capaz de elevar o patamar mínimo de investimento por aluno no Brasil, ou seja, municípios que se encontram em estágio de sub financiamento educacional crítico, passarão a contar com mais recursos.


Durante os próximos seis anos, a parcela da União deverá passar dos atuais 10% para 23% do total do Fundeb, por meio de acréscimos anuais. Assim, em 2021 começará com 12%; passando para 15% em 2022; 17% em 2023; 19% em 2024; 21% em 2025; e 23% em 2026. O patamar mínimo de investimento no Brasil sairá dos R$ 3,7 mil, em 2020, para aproximadamente R$5,7 mil por aluno/ano, em 2026, ano final do processo de aumento da complementação - crescimento de 55,3%. Em 2021, o valor será de R$4,6 mil. Vale destacar, que a questão não é, e não será exatamente a falta de recursos, a arrecadação e sua destinação para educação estão asseguradas. O fundo ficará mais robusto, será permanente, mais democrático, transparente, equitativo e equilibrado, mas ainda assim, não fará auto gestão, continuará demandando boas escolhas dos gestores públicos.


A pauta do novo Fundeb é sem dúvida o caminho para priorizar de vez a educação no Brasil. É a valorização de estudantes, de profissionais da educação e é um orçamento que, de fato, corresponde às necessidades da educação brasileira. Garantir o piso de 70% para o pagamento de salário de profissionais da educação, alterando os atuais 60% e, destinando 5 pontos percentuais para educação infantil, demonstra uma preocupação genuína em alavancar a pasta da educação, o que exigirá, portanto, atuações práticas para isso.


Incontroversa inovação registrada no documento aprovado procura atrelar qualidade na aprendizagem e eficácia de gestão. Visa estimular melhores resultados de aprendizagem por meio da destinação de 2,5 dos 23 pontos percentuais da complementação da União para a inferência de qualidade na aprendizagem e também no aprimoramento dos gastos públicos.


É um convite a visualizar uma imagem promissora que apresenta índices de aprendizagem elevados, profissionais da educação mais bem remunerados e escolas com estrutura e acesso adequados.


O texto base está aprovado e segue para apreciação do Senado que precisa aprovar também em 2 turnos, com pelo menos 49 senadores. Aprovado por ambas as Casas, o presidente do Congresso promulga a Lei que, embora seja ainda o início de uma jornada, já é o resultado de um longo processo de construção política e social, que exigirá fiscalização e competentes representantes para bem emprega-la.


10 visualizações0 comentário

Comments


  • Whatsapp
bottom of page